Arquivo de koga

HÁ DIAS ASSIM

Posted in cycle to work with tags , , , , on 19 de Abril de 2012 by Humberto

Há dias assim. Sai uma pessoa de casa para enfrentar um segunda-feira já bem entrada no dia, monta na bicicleta e faz-se ao caminho com o sol pelas costas, quentinho. A nortada promete acompanhar a costumeira viagem e a temperatura é perfeita. Chegado ao túnel da praia, o mar ao fundo, a cadência descontraída, a maresia, a campainha que perdeu a mola e tilinta a cada buraco do caminho. A vida é tão simples em cima do selim!

Lá em cima os carros passam apressados, como que parecem fugir, como se tivessem medo de se deixar aprisionar pela beleza da paisagem. Tão perto e tão longe. Passo pela marina nova de Oeiras onde belos barcos embalam o mar e sonham com viagens por mares nunca navegados. Um cachorro leva a dona pela trela e um par de patins desliza em ritmo de câmara lenta.

Da curva surgem duas rodas a par, duas fardas iguais, dois agentes da autoridade. Um casal desvia-se das três bicicletas e ainda ouve a pergunta “já viu aquele sinal”. Outra bicicleta que pára e a mesma pergunta. O atlético corredor poderia levar nos auscultadores a informação de trânsito “congestionamento na Marginal” mas apenas se desvia. Ao fundo outro casal pára a comentar a cena “olha aquele já está”. Um par de olhos verdes em passo estocado fita-me tentando descortinar quem é o mau da fita.

Que ainda não estamos a multar mas que vamos começar”. “Que é proibido“. “Há sinais em todas as entradas”. “Já “houveram” acidentes graves, até com uma senhora grávida”. “Pois, terá de ir por… não sei, pela estrada”. “São 24 euros e 90 ou lá que é e mais 30 se não tiver o bê i e mais metade por causa do…”. “Pois pois que a bicicleta é um veículo e tem de usar capacete que vem no Código”. “Ai vem vem!”. “Está aqui, quer ver?”. “Não tens aí o Código? É que ‘tive a formatar isto e desinstalei o Código”.

Neste palavra-puxa-palavra claro que houve o “então e onde fica a minha segurança”. “Eu sou responsável apenas pelos meus actos”. “Qual é a diferença entre o antes de Abril e o depois de Abril”? “E quem fiscaliza a velocidade ali em cima”? “E o aumento de bicicletas”? “E os turistas e a imagem do país”?  “Capacete obrigatório? Olhe que não senhor agente, olhe que não”. “Isso é um Galaxy“? “Não tem internet“? “Ah ok, não é da polícia, é seu”.

Por fim o homem escreveu o meu e-mail no tablet espanhol barato e eu ganhei a promessa que me vai chegar o artigo do tal Código onde consta a obrigatoriedade de usar capacete quando conduzimos o veículo bicicleta. Calhando o Governo já alterou o Código da Estrada seguindo recomendações surpresa. Calhando os agentes estavam apenas equivocados. Calhando eu vivo num país onde tudo está sempre a começar. Calhando o e-mail foi parar ao filtro de spam.

Enquanto a conversa com o par de fardas durou, mais por militância minha que por convicção deles, foram admoestados os ciclistas que entretanto passaram. Todos perigosos radicais, com o ar mais ameaçador que se pode imaginar em cima duma bicicleta. Todos desejosos de serem escorraçados para o asfalto seguro da Marginal. Todos aliviados por nunca mais ali poderem pedalar! Todos orgulhosos das ordens e da autoridade que escrupulosamente zela pela nossa segurança… Epá, ‘pera aí… então eu nunca mais vou passar ali? Então quer dizer que já não vou parar numa daquelas esplanadas e beber uma imperial. Aquela gente dos bares vai perder clientes? Querem lá ver que isto anda tudo ligado?

Imaginem a seguinte situação: estão a ver aquela rua na Baixa de Lisboa que começa na Praça do Comércio, aquela com o arco? Sim essa, totalmente pedonal, a Rua Augusta. Agora imaginem que a polícia a vigia de carro. Estão a ver? Vigiar uma rua pedonal de carro? Pois é o que a PSP faz no passeio marítimo de Oeiras. Um passeio pedonal, onde não podem circular bicicletas, a policia faz vigilância de? Bi-ci-cle-ta! E andam aos pares e ainda por cima a par! Estão a ver?

Ontem foi dia de seca no aeroporto à conta do atraso do voo de Bilbo. Normalmente nestas situações começo a ter alucinações ao fim duma hora. Bem sei, estou a perder qualidades. Ontem a coisa foi grave, deu-me para ver chegarem e partirem alegres passageiros que se deslocavam de bicicleta. Poucos táxis, alguns autocarros e nenhuns carros. A maioria das pessoas chegavam de bicicleta ao aeroporto, em todo o tipo de bicicletas, eléctricas, dobráveis, singles, tandem, atafulhadas de bagagem, impecáveis! Iam e vinham por ciclovias perfeitas.

Mas quando a senhora conseguiu finalmente tirar o carrinho da bagagem de cima do meu pé, acordei deste desvario. Voltei a focar na realidade enquanto duas Koga passavam do outro lado do passeio carregadas com alforges ávidos de aventura. Ainda atravessei a estrada a correr mas acho que já não me ouviram quando gritei a pleno plumão: keep away from the sea in Oeiras!

%d bloggers like this: