Arquivo de Jaime Lerner

DIZ-ME COM QUEM PEDALAS…

Posted in cycle of sighns with tags , , , , , , , , on 28 de Fevereiro de 2011 by Humberto

 

Projecto para Edimburgo pelo atlier de Jan Gehl

O tempo passa e este blog mesmo com a publicação de textos quase parada ainda regista um melhor desempenho que o avanço na construção das infraestruturas necessárias a uma cada vez mais urgente mobilidade sustentável em Lisboa. Pode parecer fixação deste escriba mas não tenho forma de me conformar com o atraso a que a cidade capital está condenada apesar de tanta cosmética gasta. Adoraria poder escrever loas à política camarária de elevação da qualidade de vida dos cidadãos que nela vivem ou trabalham. Mas a verdade é que não há mesmo razões para isso.

Os militantes contributos do Menos Um Carro ou Passeio Livre são infelizmente retratos sistemáticos e constantes duma cidade que definha à espera da salvação. Para lá da recuperação de alguns espaços verdes e de umas quantas tímidas mexidas na teia do trânsito, Lisboa continua a mesma cidade arcaica onde o carro é o rei e o senhor.

Uma das (pseudo)inovações da Lisboa pós-moderna é a rede de ciclovias e o adiado projecto das chamadas bicicletas partilhadas, a que eu prefiro chamar de bicicletas de aluguer. Nem uma coisa nem outra são propriamente novidades sequer cá pelas nossas amadas terras, mas da capital espera-se uma coisa em grande, com pompa! Tanta pompa que já devem ter gasto o orçamento todo nos foguetes.

Diz quem já experimentou bicicletas do projecto, as tais que podem ter até vinte e tal quilos e apenas três velocidades, que são boas para andar ali à beira rio, mas sobre isso basta ler o absurdo caderno de encargos do projecto alfacinha e eu já disse o que penso sobre isso aqui. O projecto enquanto negócio apelativo no produto e rentável no retorno -e nessa matéria não acredito que os preços sejam muito diferentes do que se pratica noutras cidades europeias- tem a viabilidade indissociável do meio onde se vai desenvolver: as ruas de Lisboa.

 

Hangzhou, China

E Lisboa precisa que os carros que nela entram diariamente fiquem longe das ruas e especialmente de cima dos passeios. Precisa que os senhores barbosas paguem um preço desencorajador pelo estacionamento. Precisa de mais autocarros e corredores bus, de passeios mais largos, ruas pedonais, mais passadeiras e o fim do flagelo do estacionamento em segunda fila. Precisa de efectiva redução da velocidade máxima e de gestão do semáforos orientada para o peão.

As cidades devem ser pensadas desde o ponto de vista do peão e à velocidade a que nos deslocamos andando a pé. Só quando isso acontecer em Lisboa poderemos afirmar que estão criadas as condições para a bicicleta invadir a ruas. Não sou eu que o digo, dizem-no os Gehl, os Lerner, os Jacobs e tantos mais que têm transformado a vida de milhões de cidadãos cosmopolitas nos quatro cantos do mundo. Se ao menos o vereador Sá Fernandes fosse amigo de algum deles…

 

E agora para algo muito à frente:

Anúncios

JAIME LERNER TALKS

Posted in cycle to know with tags , , , , , on 10 de Setembro de 2010 by Humberto

Já aqui se falou de Jaime Lerner e do papel que teve em Curitiba, Brasil e no mundo.

Segundo a revista TIME, é um do 25 pensadores mais influentes do mundo e o único que se expressa em Português!

Deu recentemente uma entrevista a Ricardo Alexandre para a Antena 1 que vale a pena ouvir e partilhar.

Depois de ouvir a entrevista, pode ver aqui em ⇓ o senhor nas TED Talks, curiosamente patrocinada por uma marca de automóveis…

E mais não digo, porque vai falar um mestre!

ENTRE O QUERER E O PODER

Posted in cycle of sighns with tags , , , , , , , on 6 de Novembro de 2009 by Humberto

O papel que o senhor Enrique Peñalosa teve em Bogotá e a importância do seu legado é enorme. Num continente em que as questões da mobilidade ainda eram, e são, menos valorizadas que na Europa, Bogotá provou que é possível fazer muito com pouco.

Mas Bogotá e Peñalosa beberam muito na experiência pioneira de Curitiba, Brasil, e nas ideias de Ivo Arzua e depois na acção de Jaime Lerner. O Plano Director de Curitiba e o Sistema Trinário de Transporte fundaram o que viria a ser um exemplo seguido em cidades de toda a América.

Na actualidade existe um senhor arquitecto que lidera um grupo de trabalho presente nas urbes mais revolucionárias em matéria de cidades para as pessoas: Jan Gehl. Com intervenções que atravessam os seis continentes, aponta os erros acumulados por décadas de decisões erradas, mas sobretudo projecta soluções integradas, simples e eficazes.

No nosso país, nas nossas Universidades, nos nossos gabinetes de arquitectura há seguramente muitos bons técnicos. Pessoas que por méritos vários já provaram serem capazes de transformar para melhor muito do nosso país.

Há também muita pequenez de espírito. Muito caciquismo, muito sobranceirismo e snobismo. E pouca humildade para reconhecer que todos temos uma palavra a dizer. Para não falar nos interesses instalados, tantas vezes de face pouco oculta…

No fundo, a diferença de pessoas como Penalosa, Lerner e Gehl não é a obra, mas a capacidade que têm de estudar, interpretar e influenciar. Por isso ficam para a história, não porque querem, mas porque podem!

%d bloggers like this: