Arquivo de commuting

MENTALIDADE SEGURA

Posted in cycle of sighns with tags , , , , , on 5 de Novembro de 2013 by Humberto

esquemaA segurança dum ciclista na estrada é posta em causa não pela acção concreta dos automobilistas mas sobretudo pelas ideias de segurança que tem a grande maioria dos automobilistas. Eu explico.

É legítimo um automobilista, ou qualquer outra pessoa, achar que quem pedala na estrada põe em risco a própria segurança, e até a segurança dele, automobilista. É razoável que quem de dentro dum automóvel, olha aqueles que se transportam em cima duma estrutura frágil, sem nada que os proteja dos elementos para além da própria pele e enfrentam na mesma arena máquinas muito mais fortes e velozes, pareça estar a arriscar muito e dessa forma, a pôr em risco a própria segurança.

Por haver um efectivo risco quando se anda de bicicleta no meio do trânsito automóvel, é reconhecida a necessidade de adaptar e actualizar a legislação, especialmente o Código da Estrada (CE), de maneira a aumentar a segurança para todos os utilizadores das vias. Mas uma vez publicadas as regras ideais, ficaríamos todos mais seguros? Como se implementa uma lei que obriga os automobilistas a passarem a pelo menos metro e meio dum bicicleta?

Um rápido olhar pela janela e damo-nos conta de como, apesar de tantas regras e sinais, o estacionamento automóvel é livre. quase anárquico. Ou como as velocidades impostas como limite, são na verdade e quase sempre as velocidades mínimas.

Não é o CE que vai fazer os automobilistas deixarem de me passar tangentes na Marginal. Muito menos será a polícia a medir as ultrapassagens irregulares. Quando tenho de ser automobilista existe uma única razão pela qual me afasto dum ciclista para uma distância segura e só então o ultrapasso. E essa é a única razão que fará com que outro qualquer automobilista se afaste também: a consciência de que ao agir doutra maneira, poria sempre uma vida em risco.

Em cidades onde a bicicleta é um alien, ainda que um alien simpático, é impossível circular sem rolar pelo passeio, desmontar sempre que se cruza numa passadeira, respeitar todos os semáforos ou nunca passar um verde-tinto, descer uma rua em contra-mão. Quer dizer, não é que seja uma impraticabilidade pura, é mais uma coisa natural já que um ciclista sente-se sempre mais próximo do peão que dum veículo motorizado. Andamos, vemos e ouvimos como um peão e é normal que interajamos com o meio duma semelhante maneira.

Faz sentido tirar as bicicletas do passeio quando se continuam a desenhar ciclovias pelo meio da calçada? Estender uma carpete vermelha pelo meio dum velho e esburacado tapete não é um convite ao “passeio”? Claro que é! É mais ou menos como marcar um seminário sobre nutrição na Confeitaria do Marquês.

A alteração das regras só é motor para mudar as mentalidades se houver implementação efectiva ditas. Embelezar os calhamaços sem cuidar do lado prático pode até contribuir para a ideia de que a “lei” não serve para nada. Tirar as bicicletas do passeio porque assim obriga a segurança dos peões, vai fazer com que, à medida que em Lisboa e noutras cidades, forem crescendo as áreas pedonais, estas sejam proibidas aos ciclistas. E isso não faz sentido nenhum!

Neste interessante artigo é sugerido o que pode a cultura da bicicleta no Japão ensinar ao Reino-Unido. Podemos aprender todos uns com os outros desde que acertemos na ideia que o que é essencial mudar são as mentalidades.

autocarro

… E AGORA, ALGO DIFERENTE

Posted in cycle to know with tags , , , , , on 18 de Outubro de 2013 by Humberto

Os níveis de debate têm sempre a ver com o estado em que os debatentes se encontram. Por isso é que há sempre, em matérias que digam respeito a tudo o que gira à volta das bicicletas, alguém que está tantos anos, ou mesmo mundos, à frente do nosso dia-a-dia ciclista.

Da mesma forma que podemos aprender muito sobre como resgatar a soberania e a independência para Portugal com a história recente de tantos países da América do Sul, podemos percorrer pedalando outras longitudes para, pelo menos tentar não repetir erros e, quem sabe, ser até inovadores.

Aqui fica um pequeno exemplo elucidativo, bem elucidativo até, do nível da “coisa”.

CUIDEM -TAMBÉM- DE MIM, POR FAVOR

Posted in cycle of live with tags , , , on 9 de Agosto de 2013 by Humberto

Post muita bem gamado:

Nos últimos dias foram-me chegando notícias de 7 ou 8 atropelamentos graves de ciclistas, amadores e profissionais. Por favor enquanto conduzem se passarem por um ciclista abrandem, ultrapassem só quando não vier nenhum carro em sentido contrário e tentem deixar a distância mínima de segurança de 1,5 mt. Eu sei que também há ciclistas que não cumprem as regras de trânsito, mas lembrem-se que nós somos o elemento mais fraco e um simples toque pode ter o pior dos resultados. Cuidem dos ciclistas, cuidem de mim. Uma vida humana por uns segundos da tua vida.

cartaz distancia que aproxima

AS FORMIGAS E OS CARREIROS

Posted in cycle of sighns with tags , , , , , , , , on 14 de Maio de 2013 by Humberto

Os transportes públicos ou colectivos, o carro particular, as ciclovias e os capacetes são os lados que marcam o perímetro dentro do qual a bicicleta tenta encontrar o seu espaço. Sobre os TC escrevi um texto, seguido de outro sobre o automóvel e o que se segue é sobre ciclovias. Fica a faltar o lado dos capacetes.

Os transportes colectivos e o automóvel são o que todos temos de mais certo quando pensamos em sair de casa. Tanto Lisboa e Porto como outras cidades de dimensão têm bons ou razoáveis serviços de transporte urbano. Não sendo a solução para todas as necessidades de deslocação e cada vez mais com preços pouco competitivos com o carro, os TC são um factor determinante de desenvolvimento urbano e medidor da qualidade de vida dos cidadãos. O carro particular é o rei & senhor das nossas cidades e só muito aos poucos e em casos sempre pontuais que se lhe tolhe os movimentos. É efectivamente possível aceder a toda a cidades de carro. Eventualmente não de todos os carros, mas há sempre um carro que lá consegue entrar. Tomemos aqui em Lisboa o Terreiro do Paço. Dizer-se que a Praça do Comércio está fechada ao trânsito é um pouco exagerado olhando o exclusivo parque de estacionamento em que na realidade se transformou.

A bicicleta, esforçada e sempre prestável, consegue adaptar-se para ser complemento tanto dos TC como do carro. É já comum verem-se transeuntes com uma bicicleta numa mão e um bilhete na outra. Para quem vive numa zona menos central e menos servida de TC, tem por exemplo de levar os miúdos à escola, pode mesmo assim contar com a bicicleta como solução complementar, se não de todos os dias pelo menos quando não chove. O capaceteduque davial antiga -ao qual voltarei um destes dias mas sobre o qual pode ir lendo alguma coisa– representa um pouco como cada cabeça encara a bicicleta e de dentro do qual se podem tirar todas as discussões, as ciclovias são o lado mais prático, ainda que apenas virtualmente, e seguramente mais mediático da bicicleta urbana. As ciclovias ou faixas cicláveis ou como quiserem chamar aos carreiros específicos para bicicletas, são sempre o lado mais visível e transformador do (re)aparecimento da bicicleta na cidade. As ciclovias introduzem um elemento novo na paisagem, infelizmente quase sempre, no passeio.

Sendo certo que as estradas não foram construídas para os carros, hoje existem exclusivamente para eles e tantas vezes contra tudo o resto. É compreensível que os maus da fita não abram facilmente mão de tamanho privilégio. Direi que estamos no ponto em que ganha consciência a necessidade de tirar o domínio ao carro. Depois virá o dia da manifesta “vontade política” de fazer, o que já se sente por aí… Mais tarde virá a “decisão” a que se seguirá o “pôr em prática” realmente.  Nas economias ditas emergentes o aumento do poder de compra de maiorias até há pouco tempo afastadas do grande consumo, leva à concretização do sonho legítimo de ser proprietário dum automóvel. Lá como cá o carro é o mais apetecível sinal social de sucesso. Lá como cá abre-se o livro das contradições comuns tão conhecidas no velho mundo ocidental. Globais são também os erros e as soluções. Tal como cá, constroem-se milhares de quilómetros de asfalto ao mesmo tempo que se renovam os transportes colectivos. Agora que esses países se deparam com a queda do número de ciclistas e de peões, aplicam-se os mais avançados conhecimentos de planeamento urbano. O mundo inteiro está a mudar, é só olhar à volta.

As ciclovias são uma das formas de tirar ao carro algum do totalitarismo de que tem beneficiado nas últimas décadas. O automobilista que circula nas cidades onde as ciclovias estão por todo o lado, sente-se mais como um “par” no espaço público e não como “dono”. Quando é construída uma via que segrega positivamente qualquer meio de transporte, há uma imposição da partilha, não só em termos do espaço concreto mas sobretudo em termos de direito ao espaço. A questão que persiste por ser esclarecida é, numa cidade como Lisboa, qual o papel reservado à bicicleta no contexto dos problemas mais abrangentes da mobilidade. Vamos por momentos situar-nos na zona de Campo de Ourique. Bairro residencial, com muito comércio e alguns serviços, bem servido por transportes públicos e simpáticos locais de paragem e convívio.

Quais os problemas de mobilidade que existem em Campo de Ourique? Arrisco a dizer que todos estão relacionados com o excesso de automóveis. Não apenas dos que circulam mas sobretudo dos que páram. Ou seja, o carro é literalmente dono de Campo de Ourique, o rei, e como é tratado o rei para além de ser tratado com toda a impunidade? Vamos agora olhar para o estado da Rua Ferreira Borges. Poderia ser outra das tantas que Lisboa tem nas mesmas condições. Conheço muitas estradas de terra-batida em melhores condições que a Ferreira Borges! Se os carros, os donos da estrada, os senhores de Campo de Ourique são servidos desta maneira, acredita alguém que as ciclovias sejam solução para a circulação de bicicletas em Lisboa? Porque é que se vê tantos ciclistas nos passeios da Avenida de Roma? Porque não há ciclovia ou porque não há segurança no asfalto?

Lisboa é pequena mesmo para quem a faz a pedalar, como deixou claro o Paulo Guerra dos Santos. Quando ouço que Lisboa tem um problema de trânsito costumo responder que sim, que tem, mas é um pequeno problema. Paris, Londres, Madrid, Berlim têm problemas de trânsito! O que Lisboa não tem, o que Portugal não tem, é a vontade política de pegar pelos cornos a besta. Timidamente introduz-se as zonas de 30km/h mas continua a ser permitido a total anarquia no estacionamento. No tempo da realidade aumentada vivemos uma verdadeira mobilidade reduzida tal o número de barreiras arquitectónicas, autênticas ratoeiras como as esferas de mármore nos passeios. Basta ver o que foi feito na Duque d’Ávila. No papel a coisa prometia mas quando olhamos ao nível o peão, o que encontramos? Uma floresta de pilaretes, canteiros, carros estacionados e uma ciclovia que é por onde toda a gente anda, com ou sem rodas, porque é o único caminho a direito.

Neste vídeo está tanto de Lisboa que quase dói!

Tirado daqui à Bicicleta Voadora

Ficou melhor? Sem dúvida, mas a questão não é apenas essa. Resta saber que tipo de melhor é que se anda a construir. As ciclovias não fazem falta nenhuma na Lisboa de hoje. Se amenizar a paulada que já está a pensar em dar-me, acrescento: salvo poucas excepções -nenhuma contemplada até agora. Quem tem beneficiado com as ciclovias são os peões que assim podem evitar as escorregadelas e tropeções da velhinha calçada. O que fará muito melhor que as ciclovias, a peões e a ciclistas, serão medidas muito mais urgentes como a acalmia de velocidade, a regulação efectiva do estacionamento e a proibição absoluta de estacionamento selvagem, nivelamento de passeios e elevação de todas as zonas de atravessamento, restauro dos passeios de forma a que seja possível andar a pé, com um carrinho de bebé ou cadeira de rodas.

As minhas excepções são uma ciclovia no eixo Liberdade/Fontes Pereira de Melo/Republica; Alcântara/Algés; Martin Moniz/Relógio; Baixa/Parque das Nações; na Marginal da Linha. Que dizer das ciclovias de Telheiras e de Benfica? Voltamos à mesma conversa do excesso de liberdade dada ao carro. Ambas são em bairros e os bairros não precisam de ciclovias para nada! A não ser que Telheiras e Benfica sejam bons mercados eleitorais… Tenho muita curiosidade em ver como vai resultar a requalificação do Bairro do Charquinho, em Benfica, já que finalmente alguma coisa de verdadeiramente relevante pode ser iniciada. É um projecto que mistura coragem política com envolvimento das populações mas sobretudo uma verdadeira transformação da estrutura. Vai sair caro em tempo perdido, o dinheirão que se tem gasto em meter ciclovias onde mal cabe um passeio, a fazer percursos que mais se assemelham às gincanas políticas dalguns autarcas. Apesar do fervor tantas vezes visto nas discussões que as ciclovias geram entre facções do activismo a pedal, as ciclovias têm sido pouco mais que uma artimanha para pescar votos e conseguir a simpatia dalguns militantes da causa ciclista.

E SE A ORBITA FOSSE UMA CALOI

Posted in cycle of sighns with tags , , , on 27 de Novembro de 2012 by Humberto

O envolvimento das empresas fabricantes de bicicletas é fundamental para o sucesso de políticas que favoreçam a mobilidade em duas rodas. Somos o maior fabricante europeu de rodas e de quadros de bicicleta. Temos um clima mais que perfeito para o uso da bicicleta no dia a dia e atravessamos um período de grandes dificuldades financeiras que se reflecte essencialmente na drástica diminuição do rendimento das famílias. Em muitos lugares e para muitas pessoas, a bicicleta é uma real alternativa ao automóvel e mesmo aos transportes públicos. Com mais ou menos romantismo, a bicicleta faz já parte da paisagem urbana portuguesa e da agenda política. Tudo isto transformou a bicicleta numa moda e numa solução mas também numa enorme oportunidade de negócio. Num negócio que vive da exportação mas que pode viver também do mercado interno. Ou não? Então do que é que estão à espera?

VIVA O PASSE SOCIAL!

Posted in cycle to know with tags , , , , on 21 de Agosto de 2012 by Humberto

Decidi dar a cada um dos quatro temas recorrentes enunciados no artigo anterior, um texto. Hoje escrevi sobre os transportes públicos, o próximo artigo será dedicado ao automóvel, o seguinte às ciclovias e por último escreverei sobre o capacete. Sempre com a perspectiva de quem vai no selim da bicicleta.

—§—

A empresa que não queira ter de pagar aos seus funcionários os custos da depêndencia do carro particular para ir trabalhar não será tão sensível aos chamados “bons acessos rodoviários”. A empresa à qual os seus trabalhadores chegam por transporte público sabe que têm mais qualidade de vida. Têm custos de mobilidade muito inferiores aos do trabalhador que necessita do automóvel, têm mais rendimento disponível. São melhores consumidores, porque consomem mais.

O transporte colectivo é o meio mais eficiente de mobilidade urbana. Partilhando um vértice do triângulo com o automóvel e com a bicicleta, oferece o conforto dum e a liberdade do outro. A integração dos  sistemas de transporte duma cidade numa rede intermodal reveste-se duma importância muito para lá da quantidade de passageiros que transporta. Mais que mover multidões em barcos, eléctricos, autocarros, metros e comboios, o sistema de transportes conduz o crescimento da urbe, marca o ritmo, recria paixões. Os percursos e os horário são as ferramentas com que a rede molda a forma e o conteúdo da cidade.

Dentro duma carruagem há livros, música, encontros, assaltos, drama, destruição, ideias, soluções, compra e venda. Da janela do eléctrico encomenda-se o almoço, entra o jornal, dá-se um calduço, ouve-se os bons dias e atira-se um piropo. Pela janela do eléctrico entra o cheiro do rio e do pregão. Da janela do eléctrico vê-se a paragem, e a puta, o turista, o bancário, o carteirista, o soldado e o polícia.  Dentro dum autocarro vai um bairro que passa por outro bairro e por outro, até que se enche de toda uma cidade. Todas umas vidas. E é esta cidade cheia de vidas, a despertar com os primeiros raios de luz, que vê quem vem e atravessa o rio. Há lá vista mais bonita?

O papel chave que os transportes públicos têm na vida de milhões de cidadãos e a importância enquanto geradores e dinamizadores de actividade económica, tornam-nos presa dos ultra-neoliberais que têm gerido e gerem os destinos da Europa. Por cá há muito que, ao mesmo tempo que os transportes públicos são conduzidos por avenidas onde apenas circula o interesse comercial, é desvalorizada a importância social dos serviços e arrasada a imagem pública dos funcionários. Após a aplicação das mais recentes decisões políticas na rede de transportes nacional, os transportes colectivos de Lisboa perderam passageiros mas aumentaram as receitas.

Embora haja menos pessoas a andar de transportes públicos -e isso deve-se a diversas razões, houve um aumento significativo no valor cobrado pelos bilhetes. Foram suprimidos horários e fechadas carreiras, a qualidade do serviço de alguns operadores diminuiu significativamente a par da redução dos incentivos a grupos específicos de passageiros. E o resultado qual foi? Menos utentes pagam mais. No Reino Unido, três décadas depois da choque privatizador tatcheriano, discute-se a re-nacionalização dos caminhos de ferro britânicos, numa altura em que se anunciam aumentos de mais de 6% nos bilhetes.

O transporte colectivo é de tal forma vital que os seus destinos têm de se manter na esfera pública. Só dessa forma preservam a sua posição de vanguarda na obra que é fazer a cidade. O transporte público é o grande aliado dos meios suaves por ser o verdadeiro predador do automóvel. Os utilizadores de bicicleta, mesmo que não sejam utentes, são dos maiores beneficiários duma boa rede intermodal. E a eficiência da rede de transportes é conseguida, não com um redutor deve-a-haver de mercearia mas pela capacidade que tem de irrigar de carne e sangue humano as artérias, ruas e avenidas, levando vida a todo o corpo da cidade!

AGORA FALO EU

Posted in cycle to know with tags , , , on 23 de Junho de 2012 by Humberto

Tenho muitas razões para gostar da rádio pública portuguesa. A rádio é o meu meio de informação privilegiado e a Antena 1 a estação mais ouvida. Por ser paga por todos, por não depender da publicidade, mesmo estando sob a dependência mais directa que indirecta do poder governativo, tem na sua programação espaços que jamais caberiam no alinhamento duma estação comercial.

É na Antena 1 que se pode ouvir semanalmente o único momento de toda a comunicação social generalista e nacional onde é promovida a bicicleta nos seus mais diversos usos, com especial relevância enquanto meio de transporte. José Candeias entrevista a cada quarta-feira utilizadores de bicicleta numa simples e descontraída. Na passada quarta, 20 de Junho, toucou-me a mim. Como facilmente se ouve, a hora matutina arrancou-me literalmente da cama mas graças ao tempo curto, pelo menos não disse nada que me arrependa. Ora vá lá ouvir e tente preencher as entrelinhas.

HÁ DIAS ASSIM

Posted in cycle to work with tags , , , , on 19 de Abril de 2012 by Humberto

Há dias assim. Sai uma pessoa de casa para enfrentar um segunda-feira já bem entrada no dia, monta na bicicleta e faz-se ao caminho com o sol pelas costas, quentinho. A nortada promete acompanhar a costumeira viagem e a temperatura é perfeita. Chegado ao túnel da praia, o mar ao fundo, a cadência descontraída, a maresia, a campainha que perdeu a mola e tilinta a cada buraco do caminho. A vida é tão simples em cima do selim!

Lá em cima os carros passam apressados, como que parecem fugir, como se tivessem medo de se deixar aprisionar pela beleza da paisagem. Tão perto e tão longe. Passo pela marina nova de Oeiras onde belos barcos embalam o mar e sonham com viagens por mares nunca navegados. Um cachorro leva a dona pela trela e um par de patins desliza em ritmo de câmara lenta.

Da curva surgem duas rodas a par, duas fardas iguais, dois agentes da autoridade. Um casal desvia-se das três bicicletas e ainda ouve a pergunta “já viu aquele sinal”. Outra bicicleta que pára e a mesma pergunta. O atlético corredor poderia levar nos auscultadores a informação de trânsito “congestionamento na Marginal” mas apenas se desvia. Ao fundo outro casal pára a comentar a cena “olha aquele já está”. Um par de olhos verdes em passo estocado fita-me tentando descortinar quem é o mau da fita.

Que ainda não estamos a multar mas que vamos começar”. “Que é proibido“. “Há sinais em todas as entradas”. “Já “houveram” acidentes graves, até com uma senhora grávida”. “Pois, terá de ir por… não sei, pela estrada”. “São 24 euros e 90 ou lá que é e mais 30 se não tiver o bê i e mais metade por causa do…”. “Pois pois que a bicicleta é um veículo e tem de usar capacete que vem no Código”. “Ai vem vem!”. “Está aqui, quer ver?”. “Não tens aí o Código? É que ‘tive a formatar isto e desinstalei o Código”.

Neste palavra-puxa-palavra claro que houve o “então e onde fica a minha segurança”. “Eu sou responsável apenas pelos meus actos”. “Qual é a diferença entre o antes de Abril e o depois de Abril”? “E quem fiscaliza a velocidade ali em cima”? “E o aumento de bicicletas”? “E os turistas e a imagem do país”?  “Capacete obrigatório? Olhe que não senhor agente, olhe que não”. “Isso é um Galaxy“? “Não tem internet“? “Ah ok, não é da polícia, é seu”.

Por fim o homem escreveu o meu e-mail no tablet espanhol barato e eu ganhei a promessa que me vai chegar o artigo do tal Código onde consta a obrigatoriedade de usar capacete quando conduzimos o veículo bicicleta. Calhando o Governo já alterou o Código da Estrada seguindo recomendações surpresa. Calhando os agentes estavam apenas equivocados. Calhando eu vivo num país onde tudo está sempre a começar. Calhando o e-mail foi parar ao filtro de spam.

Enquanto a conversa com o par de fardas durou, mais por militância minha que por convicção deles, foram admoestados os ciclistas que entretanto passaram. Todos perigosos radicais, com o ar mais ameaçador que se pode imaginar em cima duma bicicleta. Todos desejosos de serem escorraçados para o asfalto seguro da Marginal. Todos aliviados por nunca mais ali poderem pedalar! Todos orgulhosos das ordens e da autoridade que escrupulosamente zela pela nossa segurança… Epá, ‘pera aí… então eu nunca mais vou passar ali? Então quer dizer que já não vou parar numa daquelas esplanadas e beber uma imperial. Aquela gente dos bares vai perder clientes? Querem lá ver que isto anda tudo ligado?

Imaginem a seguinte situação: estão a ver aquela rua na Baixa de Lisboa que começa na Praça do Comércio, aquela com o arco? Sim essa, totalmente pedonal, a Rua Augusta. Agora imaginem que a polícia a vigia de carro. Estão a ver? Vigiar uma rua pedonal de carro? Pois é o que a PSP faz no passeio marítimo de Oeiras. Um passeio pedonal, onde não podem circular bicicletas, a policia faz vigilância de? Bi-ci-cle-ta! E andam aos pares e ainda por cima a par! Estão a ver?

Ontem foi dia de seca no aeroporto à conta do atraso do voo de Bilbo. Normalmente nestas situações começo a ter alucinações ao fim duma hora. Bem sei, estou a perder qualidades. Ontem a coisa foi grave, deu-me para ver chegarem e partirem alegres passageiros que se deslocavam de bicicleta. Poucos táxis, alguns autocarros e nenhuns carros. A maioria das pessoas chegavam de bicicleta ao aeroporto, em todo o tipo de bicicletas, eléctricas, dobráveis, singles, tandem, atafulhadas de bagagem, impecáveis! Iam e vinham por ciclovias perfeitas.

Mas quando a senhora conseguiu finalmente tirar o carrinho da bagagem de cima do meu pé, acordei deste desvario. Voltei a focar na realidade enquanto duas Koga passavam do outro lado do passeio carregadas com alforges ávidos de aventura. Ainda atravessei a estrada a correr mas acho que já não me ouviram quando gritei a pleno plumão: keep away from the sea in Oeiras!

UM DESEJO CHAMADO AUTOCARRO

Posted in cycle of sighns with tags , , , on 5 de Abril de 2012 by Humberto

O meu commuting é entre a periferia e a periferia. Vivo nos subúrbios e trabalho nos subúrbios. Embora faça uns “biscates” na cidade grande por conta própria, a maior parte das vezes que vou a Lisboa é ao volante do carro da empresa. Quem como eu passa a vida nos arrabaldes da cidade grande sabe o quanto é difícil tentar viver sem depender do carro. Não fora a bicicleta e ficaria frequentemente sem forma de regressar a casa, ou teria de palmilhar quilómetros a pé. Para quem vive e trabalha nos subúrbios, o transporte particular não é um luxo mas uma necessidade. Seja ele a motor ou não, carro ou bicicleta.

Os combustíveis pesam cada vez mais no orçamento das famílias e, mesmo com a redução das vendas, ainda são a principal razão pela dependência externa de Portugal. Se é verdade que com as políticas certas, o nosso país pode ser praticamente auto-suficiente em matéria alimentar, se em teoria podemos ser independentes em vestuário e calçado, como é verdade que já o fomos em produção de aço, vidro, construção naval e pescas, bem como em tantos outros sectores, a verdade é que muito dificilmente poderemos ser independentes em combustíveis.

Os transportes públicos ou colectivos são importantes na medida em que permitem que cada um de nós e todos em conjunto, dependamos menos do transporte individual. O transporte colectivo, mesmo que o preço do bilhete não cubra a totalidade do preço do serviço, e dessa forma nos custe um pouco a todos pela via dos impostos, poupa-nos muito porque reduz a necessidade de importarmos combustíveis. É fundamental tornar os TC numa real alternativa. É imperioso tornar mais pessoas “dependentes” dos TC.

Infelizmente estamos numa situação em que o discurso oficial desvaloriza os TC, reduz a oferta e a qualidade do serviço e aumenta os preços, afastando por essa via passageiros existentes e não cativando novos, para lá, claro está, daqueles a quem não resta escolha. A bicicleta é uma alternativa para uma imensa minoria com vantagens para a imensa maioria de quem pedala mas também para quem vê pedalar, da mesma forma que os TC são uma vantagem para todos, para os que os usam e para ou outros. Ainda para mais na situação actual do país. Bem ao contrário do discurso dos governantes.

KILLER COMMUTING

Posted in cycle to know with tags , on 3 de Abril de 2012 by Humberto

Chegou-me pela mão de um dos autores, um quadro que reflecte uma análise sobre as consequências para quem efectua os seus movimentos pendulares diários (i.e. casa-trabalho-casa; casa-escola-casa) com o rabo alapado no assento dum automóvel, aquilo a que os anglo-saxónicos chamam commuting. O estudo é feito nos Estados Unidos da América e desde o próprio ponto de vista, o que lhe dá seguramente uma assinatura distinta se fossem tidos em conta dados europeus, mas é mesmo assim um interessante tema para reflexão.

Há efectivamente pouca informação sobre os efeitos na saúde dos homens, mulheres e crianças que todos os dias saem e regressam a casa, enfrentando longos períodos dentro do automóvel em intermináveis engarrafamentos. É uma situação assumido como normal, inquestionável, sem alternativa. É como as coisas são e pronto. Não custa muito concordar que tão grande massa de pessoas sob as mesmas condições por tanto tempo das suas vidas resultará em efeitos vários e mesuráveis. Este estudo é sobre alguns desses efeitos.

Já aqui o disse que optei pela bicicleta porque estava literalmente a dar em doido com os engarrafamentos na Marginal de Cascais todas as manhãs! Não foram razões ecológicas ou económicas que me levaram a voltar aos pedais. Achei apenas que não tinha de ser assim! Ao fim de pouco tempo e após um elevado investimento numa dobrável por causa das limitações de então ao transporte de bicicletas no comboio, as vantagens da decisão faziam-se notar a vários níveis.

Será a situação cá na terrinha do Zé Povinho muito díspar da do Tio Sam? O leitor é utilizador de bicicleta? Qual pensa ser o efeito que essa opção tem na sua vida à luz deste quadro?

%d bloggers like this: