Arquivo de comboio

HET IS AL OVER DE RIJWIEL *

Posted in cycle to know with tags , , , , on 1 de Dezembro de 2012 by Humberto

rciclaCada um tem as suas paixões. Vamos coleccionando, acumulando, trocando de paixões e assim vamos vivendo: apaixonados. Umas paixões são tão gigantescas e arrebatadoras que nos cegam, podendo até fazer esquecer outras. Temos de certeza dentro do corpo um órgão, como o fígado ou o estômago, onde guardamos as paixões. Nesse apêndice que teima em esconder-se ali por detrás do coração, cabem as nossas paixões todas. Nuns será maior, noutros mais acanhado mas é aí que vamos arrumando as paixões. As paixões às vezes, de tão novas e indomadas, saem a transbordar do saco das paixões. Apertam o coração, sufocam os pulmões e é aquele aperto no peito, respiração ofegante, nó na garganta como só os apaixonados sentem. Tudo nas paixões é bom. Mesmo quando é mau, é um mau-bom. E isso é o bom das paixões!

Amadurecemos e as paixões amadurecem em nós ou vice-versa que sobre isto ainda não cheguei a uma conclusão. Há paixões que nos vão conquistando aos poucos, lentamente. Outras haverá que nos colhem com tal estrondo que num instante mudam(os) o rumo do Mundo. Há paixões que entram em nós sem querer e só nos abandonam montadas no último suspiro. Cada qual é um e as suas paixões. É os seus amores, e ninguém as tem de igual modo. No fim de contas somos pouco mais do que a maneira como vivemos as nossas paixões. Assim como o sangue que nos corre nas veias, as paixões são só nossas e sentimo-las cada qual à sua maneira. Por isso é que as bicicletas são adoradas de tantas maneiras e feitios, tantas como ciclistas houver.

As paixões alimentam-se por dentro e por fora e há sempre alguém disponível para servir um apaixonado. É ver a quantidade de lugares onde hoje se pode apreciar, avaliar, experimentar, comprar, alugar, amanhar bicicletas. À medida que foi crescendo a quantidade de apaixonados pelas bicicletas, os lugares dedicados a eles e a elas -apaixonados e bicicletas- foram deixando de ser montras frias e homogéneas, onde as bicicletas eram arrumadas como gado barato, para se transformarem em espaços amplos, limpos, bem iluminados, chiques. As bicicletas foram ganhando mais e mais estatuto de objecto único pela cor e as suas formas valorizadas, os detalhes realçados. Acessórios simples como uma campainha é encarada como um autêntico anel de brilhantes no dedo da amada -para quem gosta de anéis, claro. Cestos de vime são importados de terras longínquas porque são os melhores e a nossa bicicleta só merece o melhor!

A bicicleta é uma paixão e as paixões também são às vezes modas. Em Lisboa já podemos entrar num café com bicicletas penduradas nas paredes e outras dobradas em prateleiras. Já é possível sentarmo-nos numa mesa rodeada de acessórios de bicicleta com um quase apelo sexual e bebermos um café vulgar. Em Lisboa já se encontram à venda algumas das mais emblemáticas marcas nascidas com o boom da paixão pela bicicleta que vai arrebatando corações por este mundo adentro. Finalmente já não somos obrigados a viver com uma bicicleta todo-o-terreno a vida inteira! A identidade da bicicleta passou a não estar apenas ligada à sua juventude mas sobretudo ao estilo que transporta. Literalmente.

Ainda há meia dúzia de anos, mesmo nos encontros e passeios urbanos de ciclistas, a grande maioria de bicicletas presentes tinham sido compradas em lojas de desporto e os seus ciclistas eram pouco mais que amantes da tecnologia e quase todos obcecados com a magreza -pelo menos com a magreza das suas meninas. Foram os tempos do domínio dos valores da competição desportiva, caminho mais fácil encontrado pelos fabricantes (que vivem de fabricar e alimentar algumas paixões) para tirarem à bicicleta o seu aspecto mais infantil, efemininado quase. Não quero com isto dizer que a Cannondale SuperSix EVO ou a Trek Super Fly são desprovidas de carácter ou incapazes de provocar paixões. Acho é que a coisa será muito menos platónica. Deslizar por um trilho sentado em cima de uns bons milhares de euros tem muito de carnal. Tem que ter! Claro que o tacto ao carbono mais rígido, o som da corrente a rolar com precisão aeronáutica pelos carretos, a souplesse do par bailador estrada fora, podem ser vividos com verdadeira paixão. Mas também sabemos que daqui a alguns meses, seremos servidos com novas Super-qualquer-coisa muito mais tudo que a Evo ou a Fly.

O movimento Cycle Chic e o Passeio de Bicicletas Clássicas são autênticos chás dançantes dos tempos actuais. Lugares onde vamos passear a nossa paixão e onde o estilo passou a ser traje de etiqueta. Qualquer estilo, desde que permita que a bicicleta seja exibida como mais um acessório, ou mesmo como O acessório, condicionando o conjunto homem/máquina mas sem o transformar em algo de totalmente excêntrico, (a)berrante. Até porque há momentos para diferentes paixões. Por exemplo, não passará pela cabeça do mais saudoso amante das pistas nevadas que, só porque é inverno e está a cair neve no Alto da Torre, ir de esquis passear para a Baixa. A paixão por pedalar tem tudo a ver com a bicicleta. Digamos que o prazer de pedalar pelas ruas da cidade pode ser vivido não importa o que se tiver no meio das pernas, mas há sensações de prazer diferentes de acordo com a montada.

Claro que o alvo da paixão pela bicicleta é a própria bicicleta. Ninguém pedala virtualmente sem um determinado quadro onde estão montados uns componentes e não outros. A bicicleta é que importa. É por ela que pedalamos porque sem ela somos apenas peões. É a bicicleta que nos transforma e transporta. São as características da bicicleta que nos definem enquanto ciclistas. É a personalidade da bicicleta de cada um que o enquadra num tipo específico de utilizador de bicicleta, que o faz membro de uma tribo ou de outra ou de nenhuma. É a bicicleta que nos leva a escolher a loja ou até a forma de comprar. Fazemos uns amigos e não outros de acordo com a bicicleta que pedalarmos. Tudo tem que ver com a bicicleta.

Podemos viver a vida inteira apaixonados sem nunca perceber com funciona o objecto da nossa paixão. Alguém percebe os homens ou as mulheres? Percebem onde quero chegar? A maioria dos apaixonados pelas bicicletas não fazem ideia como se ajusta um desviador ou qual a diferença entre travões v-brake e cantilever mas isso não os impede de pedalar ou sequer gostam menos de bicicletas. Gostam é de forma diferente. E nunca vão poder gostar tanto como se… A bicicleta pode perfeitamente ser apenas mais uma coisa nas nossas vidas, até mesmo mais uma das paixões que levamos no tal saco das paixões mas nesse caso nunca chegará a moldar-nos a forma. Para estes de nós a bicicleta será sempre uma peça inteiriça, mais ou menos decorada, mais ou menos atraente, mais ou menos prática. Desde que seja capaz de nos fazer apenas rodar o olhar ou ao ponto de nos virar a cabeça e mudar-nos o pensamento -o dia-a-dia? já a bicicleta cumpriu grande parte da sua função. Porreiro!

No entanto a bicicleta é muito mais que isso. Houve quem a tenha classificado como a maior das invenções e deve ter tido muito boas razões para isso. A simplicidade da bicicleta contrasta com a quantidade de detalhes históricos em que nos podemos perder. Desde as primeiras tentativas de fazer andar um par de rodas postas em linha, até às mais radicais variações permitidas pela tecnologia actual, a bicicleta é um mundo. Basta entrarmos em qualquer loja para ver a parafernália de peças e acessórios que podemos comprar. Alguns embalados como se fossem bombons outros com preços que mais parecem jóias. Últimos modelos de tudo e mais alguma coisa, o derradeiro design e a melhor tecnologia são anunciados qual santo graal. Um mundo onde a paixão é tudo menos casta!

Todos os móveis à venda em antiquários já foram novos um dia e ganharam, pela forma como resistiram à passagem do tempo, todo o valor que custam. Todos os objectos começam a envelhecer no momento em que são feitos e as bicicletas não são excepção. Poucos são os móveis, assim como raras as bicicletas que chegarão a ter estatuto de antiguidade, mas há monos que podemos sem arriscar muito, dizer qual o fim que terão. Até há pouco tempo não se encontravam bicicletas antigas à venda em bom estado, o que é normal já que as lojas preferem alimentar a paixão duma maneira digamos, lucrativa. Normal e compreensível. Para a maior parte dos apaixonados pela bicicleta, as coisas estão bem assim e nem podiam ser doutra forma. Ou será que podem?

Felizmente que podem! E o Vítor está disposto a provar isso mesmo na nova -verdadeiramente nova- loja que abriu em Algés. Com contentores de experiência e paletes de bicicletas inteiras ou às peças que trouxe da sua outra loja de Amesterdão, o Vítor abriu a primeira loja de bicicletas para quem gosta da bicicleta no seu todo, na sua essência. Para quem tem uma paixão maior por bicicletas. Para quem gosta de falar bicicletas. Para quem quer construir uma bicicleta, como dizem os ingleses, desde o rascunho. Para quem quer ter uma roda única na sua fixie. Para quem quer uma cor única ou um quadro Reynolds por medida. Para quem sonha pedalar uma senhora holandesa, pesada e com apenas três mudanças ou quer somente ver de perto uma Batavus. Uma verdadeira loja de bicicletas, cheia de órgãos usados mas ainda com muita vida para darem à nossa alma! Os apaixonados pelas modernas BTT não precisam fazer toda a Marginal mas quem procurar uma rígida old school para os trilhos da Arrábida, uma estradista em aço Colombus que já conheceu mundo ou uma BMX verdadeira, é na Rcicla que se vai perder de amores.

Poucas vezes aqui me senti a pisar o risco da publicidade gratuita e nunca aceitarei a outra, um pouco até à revelia da normal e também legítima união que existe entre a defesa da bicicleta e lojas ou marcas que vivem de e para a paixão pelas bicicletas. A Rcicla não é mais uma loja de bicicletas a fazer um esforço de originalidade para conseguir melhor vender as coisas do costume. A Rcicla é um conceito maior que um espaço comercial, onde se vai trocar dinheiro por qualquer coisa. Na Rcicla podemos até ver o nosso problema resolvido sem nunca gastarmos um euro. Há duas sensações comuns e frequentes quando entramos numa loja de bicicletas: sermos olhados como um porta-moedas recheado ou com tal indiferença que pomos em causa quem faz um favor a quem. Na Rcicla é diferente. É mesmo diferente! Na Rcicla o nosso problema é só mais um desafio.

A Rcicla não é um hotel de cinco estrelas onde levamos a nossa paixão uma vez na vida. A Rcicla é toda uma forma de viver a paixão, todos os dias. A Rcicla é uma escola para conhecermos a nossa paixão e nos conhecermos a nós mesmos. À Rcicla não se vai mostrar, vai-se para ver, para partilhar. Vai-se para discutir BikePolo e a felicidade. Na Rcicla há bicicletas para todos porque qualquer um pode fazer a sua própria bicicleta, como se fosse um alfaiate de bicicletas. Ali não há café nem queques mas há alguns dos melhores lugares para umas bifanas, b’jecas & afins. Não há carros por perto e há espaço com fartura para os miúdos correrem. Há o comboio à porta e autocarros de várias cores. Há vendedores de castanhas e às vezes um mercado do livro. A Rcicla é toda bicicletas. Finalmente abriu a Rcicla!

* É tudo sobre a bicicleta.

O PAÍS VAI DE CARRINHO

Posted in cycle of sighns with tags , , , , on 22 de Outubro de 2011 by Humberto

Sempre que um qualquer membro do actual Governo faz uso das cordas vocais o som que ouço é monocórdico, repetitivo, sem melodia e o ritmo é apenas um: uma batida dura em crescendo. A letra da cantiga já a conheço de cor. São versos pobres e sem rima bramida num ensurdecedor coro. Cada vez menos seguros de si, cada vez mais desafinados, tentam convencer-nos do luxo imerecido em que temos vivido por culpa, claro está, dos brutais ordenados que auferimos mais as artimanhas matreiras para extorquir à pobre Banca todos os milhões em empréstimos sem préstimo para comprar telemóveis, elcêdês e comer fora! Passamos a vida de férias nos brasis e fazemos uma dezenas de pontes por ano para gozarmos as casas de férias no Allgarve. Isto já para não falar que, apesar dos investimentos na excelência dos transportes públicos -praticamente gratuitos, lembre-se- nós, oh ingratitude! insistimos em perder horas, dias, anos! alapados no couro sempre novo de reluzentes topos de gama germânicos, engarrafados em autoestradas à borla!

Por todo o lado, todas as sapiências convocadas para nos iluminar a existência e não nos deixar transviar do caminho da salvação, nos dizem “Tens vivido acima das tuas possibilidades” e pronto, ponto final! Não, Portugal não é o campeão da desigualdade na distribuição do rendimento. Nem um dos países com a mais elevada carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho. Portugal não tem a energia nem os combustíveis mais caros da zona euro. Não, não tem à volta dum milhão de pobres (ou devo dizer, tinha?) quase outro tanto de desempregados, precarização galopante no mercado de trabalho, salários em acentuada desvalorização, consumo interno estagnado e não é um exportador de produtos de baixíssimo valor acrescentado! Tudo isto fruto de políticas com-ple-ta-mente ao contrário das soluções da tróica, levadas a cabo por Governos que nada têm a ver com o que agora alterna!

Alguém se lembra de ainda há poucos meses, os lustrosos banqueiros lusos se gabarem da rentabilidade recorde dos seus negócios? E a fuga de capitais para offshores? Ah, isto é só inveja do pobre! Os ministros, os dos ministérios e os outros sem pasta, falam e falam e falam e o que dizem é apenas, simplesmente, mais do mesmo: só saímos daqui continuando na mesma estrada que até aqui nos trouxe. E toca de nos tratar como criminosos que mais não sabemos fazer que extorquir, pelos meandros de subsídios para tudo e por nada, as riquezas ao país. Riquezas acumuladas por anos e anos de afincado, árduo e solitário trabalho dos senhores do dinheiro. Empresários empreendedores que graças à sua capacidade de liderança e inovação têm conseguido não ir à falência nem deslocalizar as fábricas para países com mão de obra mais cara…

Verdadeiros patriotas que não vivem à sombra do Estado nem aceitam um subsídiozinho que seja, nada! Mas nós, que até julgávamos que na China é que não havia essas mariquices dos 13º mês, não passamos duma cambada de imbombáveis, não contentes por ter trabalho ainda queremos também -imagine-se- ter salário. O que estamos mesmo a precisar é dum salazar para pôr isto tudo na ordem. Ou um portas que também serve. Acabava-se logo a rebaldaria, as greves e manifestações e esses abusos todos. E o leitor, ainda aí está? A ler isto? Vá mas é trabalhar mais meia horinha de borla. Apre! E que raio me havia de dar? O que tem isto a ver com as bicicletas? Que conversa de chacha vem a ser esta para um site sobre mobilidade suave ou lá o que isto é? Uma pessoa vem aqui à espera de encontrar um paleiozito sobre a cena da bicicleta e das ciclovias e ver umas fotos com gajas chiques e apanha com uma seca destas?

Não deixo de me perguntar quem são as pessoas que lêem estas escrituras. Serão pessoas que curtem a moda das bicicletas ou são masoquistas? Não deveria eu escrever apenas sobre correntes de elos e selins de couro e afixar uma fotos relatando os meus progressos no cultivo de courgettes? Será que faz sentido um ciclista burguês e suburbano se preocupar por agora ter menos ligações de barco entre as margens do rio Tejo? Será que um commuter que use a bicicleta se deve incomodar com o definhar da linha de Cascais? Ou será indiferente para quem escolheu a bicicleta como meio de transporte que a Carris tenha acabado com várias carreiras e reduzido a frequência de outras? Não é a bicicleta também uma forma de alheamento? então porque diabo nos havemos de preocupar com o desinvestimento no transporte público? Que importância há nas decisões políticas que empurram mais pessoas para dentro dos carros? Ou nem sequer é assim e os Portugueses, ou outros Portugueses claro, são burros e nunca vão sair da cepa torta porque é isso que está escrito no grande livro do desígnio nacional?

Será relevante para quem anda de bicicleta o facto de já só poder ir jantar à Trafaria de carro porque o último barco passou a zarpar de regresso à capital às 10 da noite, duas horas mais cedo que no inicio do Verão? Importará realmente a quem escolheu a mobilidade sustentável que querendo ir hoje sábado, apanhar o barco e pedalar na baía do Seixal, tem de regressar antes das 23? Ou então terá de pedalar até ao Barreiro ou Cacilhas e lá conseguir chegar a tempo de apanhar o barco das 2 da manhã. Esta é a perspectivava que tem quem vive na margem direita da foz do Tejo e atravessa o rio de barco meia dúzia de vezes por ano e o recomenda a visitantes outras tantas. A atracção que a outra banda exerce nos apetites gastronómicos dos lisboetas é equivalente à vontade de vir jantar a Lisboa para quem vive na margem sul. O efeito que terá nas necessidades supérfluas -dirá o ministro das finanças- o esvaziamento dos bolsos de alguns -digo eu- portugueses não justificará mesmo o fim das ligações fluviais entre as margens o Tejo para lá duns quantos barcos de manhã e outros tantos à tardinha?

Dirão que a vida não está para passeios e ir comer fora é um luxo. Está mais para eliminar certas gorduras. Além de que existem as pontes e o comboio e as camionetes. As populações ficam mais dependentes do carro? E qual é o problema? Quem quer ir paga que eu não estou para dar dinheiro dos meus impostos para alimentar gulosos! Serão estas questões assunto de bicicletas? Será que o aumento do preço dos bilhetes e a anunciada fusão das empresas de transportes importa aos ciclistas de Telheiras, de Campo de Ourique, de Matosinhos, de Carcavelos, de Águeda, de Alcântara, de Braga, do Parque das Nações, do Montijo, de Lordelo? E o abandono de 600 (mais, menos?) quilómetros de linha férrea?

Se há coisa que se aprende depressa quando a pedalada passa a ser diária, é a incapacidade de passarmos pelos intervalos da chuva. Está bem de ver que a tormenta que se abate sobre as nossas cabeças não vai passar só porque sim. Por muito que gostássemos que isso acontecesse, tampouco está prevista a entrada em Portugal dum contingente de holandeses e dinamarqueses munidos de ciclovias, pasteleiras pesadas e pós de perlim-pim-pim para transformarem as nossas cidades em réplicas temperadas das suas urbes. Infelizmente não será apenas pela actualização do Código da Estrada que a bicicleta entrará a bem na nossa vida metropolitana. A bicicleta é um factor que pode elevar, como tão bem sabemos, a qualidade de vida de quem optar por ela como meio de transporte. Por todos os cinco continentes sabe-se que a bicicleta é parte da solução para os problemas da mobilidade. No entanto poderemos nós, ciclistas convictos, alhearmo-nos do caminho pelo qual está a ser conduzido Portugal? Se é certo que da chuva resta-nos enfrenta-la ou esperar que passe, será que podemos alguma coisa contra o resto ou estamos bem assim?

Franz Liszt nasceu no dia 22 de Outubro de 1811 onde hoje é a Hungria. Virtuoso pianista e maestro, Liszt é mais conhecido pela sua faceta de compositor graças a uma vasta obra inserida no que hoje conhecemos por período romântico. Professor de excelência, formou vários pianistas nos quais sempre procurou valorizar e desenvolver a capacidade interpretativa individual, desvalorizando o rigor técnico e nunca procurando replicar-se nos seus alunos. Não cobrava pelas aulas porque via no mercantilismo uma forma de corromper a arte.

PARA ONDE FOI O SORRISO DE ÁLVARO?

Posted in cycle to know with tags , , , , , , , , , , on 18 de Outubro de 2011 by Humberto

É normal que uma pessoa fique razoavelmente deslumbrada quando atinge certos patamares na sociedade. Ainda para mais quando aceita dirigir todo um Ministério e logo o da Economia! O Álvaro, como familiarmente pediu para ser tratado o então fresquíssimo académico empossado, esbanjava sorrisos e emanava uma verdadeira áurea de felicidade. A minha expectativa na governação dos novos ocupantes dos gabinetes da Horta Seca nunca foi optimista sequer ao ponto de achar que a jovialidade ministerial se devesse a qualquer solução milagrosa para o estado do país, da economia nacional. Não sou dos que vissem em tanto sorriso e boa disposição sinais de profundas certezas que estariam apenas à espera do momento em para serem reveladas -que, diga-se de passagem e vindo daquele ministério, nem sequer seria original: o fim da crise. Existem tantos tipos de pessoas que até deve haver umas que aceitam tarefas sobre as quais não conhecem realmente nada. Pessoas que viveram até então afogadas em livros e nas suas teorias e teorizando sobre páginas de teorias teorizadas afastam-se tanto da realidade que se por um lado a pensam com certezas provadas, por outro o mundo realizado nas suas cabeças simplesmente não existe.

Tenho andado numa de vídeos. Nem percebo bem porquê mas a verdade é que tenho encontrado muitos vídeos que me dão vontade de trazer para aqui. Não sou dos que acha que na Assembleia da Republica não se faz nada para além de gastar o nosso dinheiro nem tenho para mim que os políticos sejam todos iguais. Tenho no curriculum umas boas horas de sessões parlamentares, no hemiciclo e nas comissões, e se algumas se resumiram a secas monumentais, outras foram momentos que, pela vivacidade dos deputados ou pela relevância e elevação dos temas foram horas muito bem gastas. Acontece por vezes sairmos de lá -por mais estranho que isto possa parecer- mais esclarecidos, com questões aos pinotes na cabeça, com vontade de aprofundar ideias, com uma visão mais abrangente do que está em jogo, com novos elementos para formar opinião e julgar a acção de quem nos governa e representa. É na AR e pela vontade de quem para lá é mandado pelo Povo que são tomadas todas as decisões que nos comandam a vida. Duma maneira ou de outra é ali que tudo se decide. Até é ali que se decide o que se passa a decidir noutros lugares.

A recente ida ao Parlamento, por sua própria iniciativa note-se, do ministro da Economia para, segundo estava anunciado, apresentar aos deputados o Plano Estratégico para os Transportes, teve na comunicação social bastante realce no episódio triste que foi afinal não ter o ministro levado nada para apresentar aos deputados. Mais uma vez o folclore entreteve o pagode enquanto o que lhe importa realmente para a vidinha de todos os dias passou para segundo plano. Pedaços do confronto verbal exaltado que bramia contra a oportunidade da audição fizeram as delicias dos jornalistas de serviço. Mas sobre o tão necessário Plano, nada! Se o automóvel tem o peso que se conhece na vida do meus concidadãos é também, não apenas mas também, graças ao fraco investimento em Transportes Colectivos e à deficiente integração entre os diversos sistemas metropolitanos de transporte. Têm sido vertidos recentemente pela comunicação social verdades -que na verdade não passam de meias verdades- sobre a situação em que se encontram as empresas públicas de TC, sobre as suas dívidas, as regalias dos trabalhadores, os salários, e mais um par de botas, duma forma que legitime na cabeça do contribuinte que é no interesse dele, contribuinte, que os interesses de quem vê nos TC um bom negócio, vinguem.

Claro que o Ministro não levou o Plano porque não o tem escrito. Nem precisa! Foi apresentado o verdadeiro plano do Governo para os transportes e está inscrito no Orçamento de Estado: fundir as empresas metropolitanas de transportes; separar a infraestrutura que é de onerosa manutenção e requer elevados investimentos e mantê-la na esfera pública; despedir e sobrecarregar a dívida com mais pensões e indemnizações; vender o monopólio de transportes urbano assim criado aos privados que, pelo indispensável financiamento do Estado ficarão com os lucros. Confrontado com a acutilância e imerso nas imagens claras transmitidas pelas perguntas do deputado Bruno Dias, imagens duma realidade em total choque com a virtualidade das teorias neoliberais, o ministro da economia perdeu definitivamente o ar cândido, cai-lhe a máscara patusca. O seu olhar parecia que procurava no ar o plano, mas um plano que o tirasse dali para fora. Quase que dava pena se ainda sobrasse disso para esta gente que nos depena, come a carne e se prepara para roer os ossos! Independentemente de ser um excelente jovem deputado da bancada do Partido Comunista, o que me leva a escarrapachar aqui o vídeo da sua intervenção são as várias perguntas que põe ao senhor ministro. Quando queremos debater o Transporte Público, sejamos deputados, ciclistas ou ministros, devemos conhecer um pouco mais sobre esta realidade para além do folclore com que se anda a entreter o pagode. Este vídeo -que na verdade são dois- é um contributo para o debate, para levantar questões e procurar respostas. Um apelo ao conhecimento e à informação que quem por aqui passa. Para que possamos todos decidir melhor.


VAI DE CONTA-VOLTINHAS?

Posted in cycle to know with tags , , , , , , , , , , , on 2 de Outubro de 2011 by Humberto

O primeiro acessório que comprei para a Trek foi um ciclo-computador! Longe ainda vinham os tempos em que troquei o automóvel pelos pedais mas entretanto passei a saber sempre a quantos ia Boavista abaixo e se a volta pelo Parque da Cidade Invicta tinha sido maior que no dia anterior. Sabia exactamente a média horária e esperava bater a máxima sempre que tinha pela frente uma descida mais apelativa. Tudo funcionava a pedais excepto aquela caixinha que consumia uma pilha por ano, mas valia a pena, pois até me avisava para ir ao mecânico ver os óleos! Não havia bicicleta que não merecesse uma coisa daquela e a minha não seria excepção.

Com a chegada da montada todo-o-terreno só tive de instalar um novo sensor na suspensão dianteira e um suporte de guiador porque o “conta-voltinhas” aceitava dois tamanhos de roda. Em pouco tempo já eram mais as vezes em que me esquecia de o mudar de bicicleta. De regresso a Lisboa e a mudança de hábitos, chegou a primeira dobrável e houve que a equipar também com o respectivo computador de bordo. Desta vez e de forma a não estender mais cabos na Dahon, optei por um conjunto sem fios o que significou duas pilhas, uma no receptor e outra no emissor. Esta última de longa duração mas mais cara quando foi preciso substituir.

Quando me tornei um commuter em bicicleta, e já lá vão mais de seis anos, a curiosidade alheia traduzia-se em perguntas diárias, muitas delas respondidas com recurso aos dados mostrados no pequeno ecrã. Quantos quilómetros fazia, a que velocidade, em quanto tempo e eu, admito até um pouco orgulhoso, lá ia carregando nos botãozinhos e fazendo aparecer os valores que, se para uns seriam modestos, para a maioria estavam acima da pedalada. A verdade é que sem um destes aparelhómetros não saberia quantos quilómetros fazia por mês, quanto da viagem era a pedalar e quanto de comboio. Pude até comparar a velocidade média em duas e em quatro rodas.

Entretanto foram já vários os conta quilómetros que me passaram pelas bicicletas. Uns mais simples e outros com funções que nunca cheguei a utilizar, até porque a maioria dos computadores para bicicleta estão pensados com o ciclista-desportista em mente. São realmente fundamentais para um atleta monitorizar a evolução do treino através do controlo da cadência de pedalada, do batimento cardíaco, da energia produzida. Tudo através da medição da ponderação de vários valores por estes pequenos computadores. Os mais avançados permitem trabalhar a informação referente a todos os atletas duma equipa de ciclismo por meio duma aplicação informática dedicada. Nos equipamentos mais caros é até possível juntar todas estas funções ao registo GPS e obter uma análise total do desempenho em determinado percurso.

À media que a bicicleta vai ganhando terreno na cidade aparecem mais produtos desenvolvidos especificamente para o ciclista urbano. Quase todas as marcas mantêm uns quantos modelos de funções básicas como seja a distância percorrida total e parcial, velocidades máxima, média e no momento (VDO X1, Sigma BC509). Estes são normalmente mais baratos o que relativiza o prejuízo em caso de roubo ou perca. Há os mais específicos para commuting com ecrã iluminado para poderem ser utilizados à noite e existem até com cálculo do CO2 não produzido (Cateye Commuter). Existem modelos disponíveis em cores pouco ortodoxas (Knog N.E.R.D.) mas não menos atractivas(?).

Da última vez que o meu computador de bordo ficou sem bateria, acabou esquecido no fundo do alforge. É o que há mais tempo me acompanha e marcava já algarismos nas casas dos milhares. O totalizador era basicamente a única função que consultava a par do relógio. Com o tempo deixei de valorizar a sua utilidade. Com a rotina das deslocações já sabia os valores de cor e as médias mantêm-se inalteradas há muito. Quando concluí o projecto Raleigh ainda andei a ver na net um computador merecedor de ser instalado no seu guiador mas ainda não encontrei um que lhe faça jus à personalidade, embora esta bicicleta seja a que mais partido tiraria dum conta quilómetros já que é a mais errante de todas.

Um ciclista na cidade precisa de todos os sentidos bem acordados para lidar em segurança com os obstáculos. Se é engraçado ter a leitura imediata da velocidade a que passamos pelo meio dos engarrafamentos automóveis, não será menos certo que à mínima desatenção oferecemos um retrovisor novo a um desconhecido. Mesmo nos trajectos diários, há sempre boas razões para tirar partido da paisagem e não será ciclo+computador apenas um corta-barato?

Este texto foi muito tempo um dos inacabados rascunhos que guardo mas ao ler isto inspirei-me, mesmo arriscando ser acusado de plagiar, mais não seja o timming da publicação. Será que os ciclo-computadores fazem algum sentido para quem anda de bicicleta no dia-a-dia ou serão apenas instrumentos de apoio ao treino dos atletas? E o caro leitor usa ciclo-computador? E qual a importância que lhe dá?

EU NÃO VOU AO DOLCE VITA TEJO

Posted in cycle of live with tags , , , , , , , on 10 de Maio de 2011 by Humberto

foto de LINK2GREENWAY

Vi este poster pela primeira vez na estação de Carcavelos, numa solarenga manhã de fim de semana, enquanto esperava pelo comboio que me havia de levar até Algés. A bicicleta de todos os dia, apoiada no descanso, ao notar o meu olhar fixo, atentou também no alvo da minha incredulidade. Pareceu-me que para tentar animar-me, lembrou-me que naquele espaço gigantesco ao menos existe uma não menos gigantesca loja de bicicletas, como que a dizer-me que compreenderia acaso eu lá quisesse ir, mesmo sabendo ela que são bicicletas doutro pedigree.

Absorto nas letras e números, quais coordenadas GPS, que nos indicam o caminho, levei algum tempo a perceber que o meu ar de náusea não tinha passado despercebido à minha fiel companheira, mas logo tratei de a confortar. Nunca lá irei! disse-lhe e acrescentei, Nada existe naquele lugar que me faça falta. Tudo o que ali está representado é a pura negação daquilo em que acredito, da razão que me leva a procurar viver da maneira que vivo.

Neste efémero cartaz publicitário também está o comércio de rua bem como todos os temas académicos sobre modelos de desenvolvimento urbano e social. Mas o que me chamou a atenção foram as indicações viárias para chegar a um lugar chamado doce vida que fica num buraco longe do rio que lhe dá o nome e em que nem há baleias! Toda a simbologia da coisa é incongruente. E aquilo foi tudo feito por gente inteligente, paga por gente rica, a mesma gente que anda a vender um futuro a um povo que tem a cabeça enterrada na areia. Areia do deserto em que isto se tornará se não dermos o salto para longe desta linha!

O comboio apagou da minha vista este borrão sujo e deprimente, levou-me ao destino de onde segui pedalando ao ritmo da verdadeira vida, doce como o rio que aos poucos vê regressar os saltos dos corvineiros brincalhões. Parei numa esplanada e pedi uma bica em chávena fria. A Trek sorria feliz.

DE BICICLETA ATÉ AO FUTURO

Posted in cycle of live with tags , , , , , , , , on 7 de Abril de 2011 by Humberto

A bicicleta entrou na minha vida no dia em que o meu pai me levou para onde é hoje o Parque das Nações e me deixou em cima duma Vilar vermelha, a minha primeira dobrável, num estradão alcatroado, bem perto dum enorme cemitério de material de guerra usado no ultramar. Nessa estrada com cheiro a rio e a lodo tive a minha primeira batalha com as duas rodas e a força de gravidade. Uma rodinha montada do lado direito ajudou-me a manter o equilíbrio nas primeiras pedaladas, lançado por uma voz de incentivo e dum momento para o outro a mão que segurava o selim já lá não estava e um magnifico mundo estendia-se à minha frente.

Depressa a Vilar rumou ao sul para a casa dos avós onde ficou até hoje a chorar saudades de tanto e de tantos. O corpo cresceu-me e ganhou uma Esmaltina, verde com mudanças e guiador de corrida, comprada no Areeiro. Foi o tempo das corridas à volta do quarteirão e das primeiras quedas a sério mas foi a Esmaltina que me permitiu alargar os horizontes tantas vezes bem para além do salvo conduto familiar. Passados esses gloriosos tempos da meninice e durante demasiado tempo a bicicleta foi posta de lado. Demasiado tempo!

Até que resolvi trocar a cidade capital pelo Porto. Eram os tempos dourados da internet e do ecrã do computador saía muito e saíam também bicicletas. Lance Armstrong vestia camisolas amarelas como quem abre garrafas de champanhe e por todo o lado começaram a surgir bicicletas de montanha. Numa viagem de visita a Lisboa fui convencido por um compincha de outra pedaladas a dar uma volta de ginga. Foi depois desse regresso ao pedal que decidi comprar uma bicicleta já que a velhinha Esmaltina tinha ficado pequena, mas recusava-me a comprar uma BTT. Não queria os pneus largos nem aquele ar de jipe porque simplesmente não iria andar no monte. Queria uma híbrida que procurei, procurei e não encontrei. Na verdade existiam umas lojas que vendiam umas marcas que as tinham em catálogo mas… teria de encomendar sem testar, sem ver, pagando logo um sinal. A sorte é que do Porto a Vigo é um saltinho!

Se já sabia que na Galiza havia bom peixe e melhor marisco, fiquei também a conhecer boas lojas de bicicletas com modelos em exposição que não eram vendidos por cá. E com a diferença do IVA e o mercado e as diferenças do costume, o preço lá era mais baixo, certa sexta-feira cruzei o Minho de regresso a casa com a barriga cheia de percebes e uma bicicleta desmontada na bagageira. Com algumas alterações e acrescentos, esta ainda é a minha bicicleta do dia-a-dia. A essa loja fui entretanto buscar uma de montanha quando as suspensões totais ficaram acessíveis e a vontade de desbravar caminhos pediu uma atitude mais radical.

O regresso ao sul fixou-me residência na linha de Cascais e depressa as agruras da vida motorizada pela Marginal deixavam-me os nervos em franja. A decisão de tirar a versátil Trek da arrecadação e tentar o percurso até Carnaxide foi natural. Apesar do esforço necessário para vencer a subida por Miraflores me ter feito duvidar da minha própria sanidade mental a teimosia foi maior. Nessa altura as bicicletas pagavam bilhete no comboio aos dias de semana, o que encarecia e muito o preço das viagens. Mas como o que importa não são os problemas mas as soluções que lhes damos, decidi comprar a primeira dobrável, que como era considerada bagagem pela CP, não me custava bilhete a ainda tinha a vantagem de me permitir conjugar melhor a mobilidade familiar.

Quando a CP deixou de cobrar bilhete de bicicleta, criou um esquema de horário para o livre transporte de velocípedes a bordo mas que não me afectava porque a Dahon continuava a ter livre acesso a qualquer hora, desde que fosse dobradinha e sossegada ao meu lado. Hoje que acabaram as limitações nos comboios da linha de Cascais e porque se tornaram mais frequentes as viagens sem recurso ao caminho de ferro, a Trek voltou à liça e até ganhou recentemente um dínamo lateral para deixar de usar pilhas, mesmo das recarregáveis.

Claro que ao longo de todos estes anos, de toda esta vida, a minha relação com a bicicleta evoluiu bem mais que a simples empatia material com a dita coisa. As formas com que olhei e olho hoje para as bicicletas foram-se alterando e a importância que atribuo à mobilidade e aos problemas associados com a sustentabilidade de meu estilo de vida é hoje infinitamente maior do que quando esta aventura começou à beira Tejo. Neste texto cabe a lycra e os pedais de encaixe, cabem as suspensões auto-bloqueantes e os travões de titânio, as intermináveis polémicas e seus equívocos sobre o uso do capacete.

Cada um pedala a sua bicicleta e a forma como a pedala deveria ser indiferente para os demais. De fatreino, de pijama, fraque ou nu (cruz credo!) o importante é que cada um considere que pode incluir a bicicleta nos planos de transportabilidade pessoal. Um dia a bicicleta vai ser equiparada a qualquer outro veículo independentemente do combustível que use. Quem sabe um dia existirão pastagens comunais para que os nosso burricos, mulas e puros-sangue de transporte se alimentem? Aconteceu há bem pouco tempo em Cuba aquando do período especial, no início da década de noventa do século passado.

Um dia a bicicleta vai atingir por cá o mesmo estatuto de que já hoje em dia goza por outras paragens e nesse dia nós, os que já a guardamos no armário da paixões, vamos ser olhados como os pioneiros desta nova alvorada ciclopédica. Um dia os chiques e os outros serão apenas modas. E tudo isto vai acontecendo na cadência da pedalada descomprometida e feliz de quem olha para a vida por cima do horizonte do guiador da bicicleta.

REQUIEM PARA 2010

Posted in cycle of sighns with tags , , , , on 29 de Dezembro de 2010 by Humberto

E pronto lá se vai mais um ano, o derradeiro duma década inteira desde o virar do século, do milénio, são tantas as legendas para pôr na fotografia destes últimos dias de dois mil e dez. Um ano anunciado por trompas e megafones de crise e que agora nos deixa um legado de dificuldades acrescidas, de menos salário e menos direitos, de mais impostos e mais injusta distribuição das riquezas várias, das produzidas e das outras. Um ano que passa para o seguinte mais pobres, desempregados e sacrificados que nos dizem ser em nome duma batalha épica para fugirmos a certa “ajuda”. Como se nos dissessem para corrermos mar adentro, que lá atrás vem um monstro que de nos querer ajudar nos acabará por afogar.

Neste ano derradeiro ano da primeira década do terceiro milénio desde que contamos o tempo pelo dedos das mãos dum deus que parece ter abandonado até os dele devotos à sorte do diabo dos mercados, vimos o mar a encher-se de crude assassino e os bolsos dos assassinos do crude a encherem-se com a vida de todos nós. Enquanto o aumento no preço dos combustíveis conseguiu escapar às capas mediática, tentam convencer-nos nas mesmas capas que as latas de quatro rodas, agora carregadas de baterias poluentes são uma qualquer solução para o martirizado espaço público e urbano. Estenderam-se mais tapetes de alcatrão a cobrir e enterrar uma mobilidade sustentável e sustentada.

Se olharmos com suficiente distância assertiva para os transcorridos doze meses o que mudou para as pessoas que resolveram empenhar-se um nadinha mais nesta coisa de mostrar à mole que andar por aí a pedalar é fixe e recomenda-se? Muito direi eu. Estamos menos sozinhos porque somos mais a partilhar os computadores uns dos outros. Temos seguramente mais leitores e produzimos algumas das mais interessantes páginas de texto sobre as questões da urbanidade, da mobilidade e, claro publicamos as melhores fotos inspiradas pela bicicleta. Somos uma tribo de índios bons num país de maus cowboys do asfalto!

Agora vamos manter a mesma distância e tentar perscrutar no retrovisor os sinais na paisagem que nos dêem razões para sorrir, porque alguém, com poder para isso, ali deixou uma avenida com mais passeio, acolá fechou um par de ruas ao trânsito automóvel, acoli reabilitou chãos e pavimentos. Para ser sincero vislumbram-se uns tímidos sintomas medrosos dalguma intenção (agora vou inalar umas fortes passas de boa-vontade) de afrontar o todo poderoso carro. O jardim do Príncipe Real, a Praça do Comércio ou o Bairro de Telheiras podem (ainda estou sob o efeito das baforadas) ser consideradas obras ingratas ao automobilista comum, mas e o que dizer dos abusos constantes ao estacionamento nessas e em todas as zonas da cidade? Com a muito simples e directa pergunta Ao fim de 2010 é mais difícil andar de carro em Lisboa, temos a resposta desesperante dum Não rotundo!

O próximo ano nascerá perene de motivos de revolta e luta por um país mais solidário e menos caridoso, mais independente do que consumimos e exportador do que nos sobra, mais retributivo e menos penalizador de quem cria, com menos desemprego e especulação e mais trabalho e produção. Um país em que se aposte no transporte público e não se parem comboios nem fundeiem cacilheiros, onde se beneficie o colectivo em detrimento do privado. Um dia as lides ciclistas foram imagem para nos destacar na dianteira duma Europa rica e próspera da qual hoje percebemos não só nunca nos aproximámos mas afastámos constantemente, uma Europa rica que nos escorraça e nos ameaça com uma varridela implacável.

Que a bicicleta seja a nossa arma para 2011, que nos sirva de lança na luta dos espíritos e lanterna no caminho para uma sociedade mais justa. Bom ano novo de bicicleta!

%d bloggers like this: