FORMOSA E… SEGURA?


O artigo sobre o cubo de mudanças Shimano Alfine 11 motivou um simpático comentário, comentário que motivou por sua vez este artigo. E assim se prova que bicicletas e pescadinhas-d’rabo-na-boca têm tudo a ver.

A questão do parqueamento seguro da nossa bicicleta é muito relevante. Para quem se faz deslocar regularmente, o mais certo é dar um pouco mais de atenção à escolha da máquina que utiliza, ou seja, é normal que não a tenha comprado no hipermercado suburbano mais à mão. Não que aí não se encontrem bicicletas dignas desse nome, mas a maioria dos pares de rodas que cruzam a linha da caixa registadora, estão condenadas a dar bastante trabalho aos seus felizes proprietários e, ao fim de meia dúzia de voltas ao quarteirão, parecem que se vão desmanchar todas a cada pedalada.

Se dividirmos o valor a que são vendidas a maioria dessas biclas, por todos os componentes que as compõem, facilmente chegamos à conclusão que não há economia de escala que aguente uma relação honesta qualidade/preço. Embora, obriga a verdade que se diga, muito do que é vendido em lojas da especialidade enferma igualmente do mesmo mal. Mas cada um sabe de si -apenas o Teixeira dos Santos quer saber de todos,- e como diria um anglo-saxónico “you pay what you get”.

Vamos então tomar por adquirido que alguém que faz da bicicleta veículo de transporte espera segurança e fiabilidade da sua montada. Da mesma forma que alguém que conduz um carro (apre, lá vem a comparação!) reza para que toda aquela tecnologia paga mensalmente ao banco responda de acordo com as promessas do vendedor, o ciclista quer ter travões em condições, pneus resistentes, um quadro rigido e confortável, um selim cómodo e por aí fora. Ou seja, o mais certo é que tenha investido uns cobres na sua menina (bicicleta é uma palavra feminina). Ora se há coisa que ninguém gostaria que lhe acontecesse é ouvir da sua própria boca, aquele relato do dia em que já-lá-não-estava.

Montar, por exemplo, um cubo Alfine 11, significa acrescentar ao valor que transportamos entre as pernas, umas belas notas de euros. Encontrar uma forma de proteger esse investimento de forma eficaz será seguramente preocupação não muito acessória. Com base nas minhas escolhas , tomadas após estudos de mercado e testes nos mais reputados laboratórios alemães (wher’else?), deixo duas sugestões das mais práticas mas infelizmente não das mais baratas. Nestas coisas dos cadeados, há até marcas que aconselham os diversos modelos de acordo com o valor que se pretenda prender ao poste.

Primeiro, vamos então trocar os eixos das rodas vulgarmente chamados de quickrelease, por eixos fixos com porcas que só podem ser apertadas ou desapertadas com uma chave mestra única, com forma irregular e protegida por uma túlipa de modo e prevenir que se possa usar um alicate. Segundo, vamos trocar a abertura fácil do espigão do selim, por um grampo com parafuso e porca idêntica à dos eixos das rodas. A Pitlock disponibiliza diversos kit com este tipo de segurança, podendo trocar-se todos os parafusos da bicicleta alvos de indesejada cobiça, por parafusos e porcas deste sistema, utilizando todos a mesma chave mestra. Com o primeiro conjunto é enviado um código com o qual se podem pedir mais parafusos e porcas, pelo que podemos ir gastando o dinheiro aos bochechos. Eu comprei há mais de dois anos o primeiro conjunto, via internet claro, e dou-me por muito satisfeito. Tenho é de andar sempre com a porca atrás…

Por fim, toca lá a escolher um cadeado a sério! Não aquelas coisas pesadas, parecidas com mangueiras, mas que se cortam com uma tesoura de poda ou abrem com uma esferográfica Bic. Optemos por um cadeado em forma de U, seguro e robusto. Eu uso um Kriptonite modelo New York Lock SDT, considerado dos mais eficazes. Tem no entanto dois grandes inconvenientes: é caro e pesado, mas (e há sempre um mas) faz o que lhe compete. Já apreciei de longe a minha menina a ser convidada por um estranho a dar o passeio da vida dela. Ao fim de aturada tentativa de convencimento, quando me resolvi a aproximar, ouvi um rasgado elogio… ao cadeado.

Estas duas medidas de segurança passiva, como diria o tal vendedor de automóveis, são garantia quase total, porque não há nada que tempo e esforço não se consiga quebrar, que a nossa bicicleta e todos os seus componentes lá estão no sítio esperado à porta do cinema.

_______________

Luís Vaz não terá tido o prazer de andar de bicicleta, mas deu-me o título para o artigo acima por isto:

Descalça vai para a fonte
Leonor, pela verdura;
vai formosa e não segura.

Leva na cabeça o pote,
o testo nas mãos de prata,
cinta de fina escarlata,
sainho de chamalote;
traz a vasquinha de cote,
mais branca que a neve pura;
vai formosa e não segura.

Descobre a touca a garganta,
cabelos de ouro o trançado,
fita de cor de encarnado…
tão linda que o mundo espanta!
chove nela graça tanta
que dá graça à formosura;
vai formosa, e não segura.

Luís de Camões

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: